Jornada de 4 de Outubro

Neste dia procedeu-se à colheita de frutos para extracção de sementes. A pequena equipa voluntária começou por se deslocar até ao Parque da Senhora das Preces na Póvoa do Vale do Trigo para colher bolotas de carvalho roble. Este é um pequeno parque junto à capela local, com alguns carvalhos certamente centenários. Embora com características de parque de recreio, sem sub-bosque nem outras plantas características do carvalhal, as árvores são de porte considerável e algumas têm uma boa produção. Depois passámos ao carvalhal do Valinho Turdo, em Belazaima, um carvalhal em recuperação desde há 15 anos, onde a maior parte das árvores são relativamente jovens, embora algumas com boa produção.

Carvalhal caducifólio junto ao Ribeiro de Belazaima

Carvalhal caducifólio junto ao Ribeiro de Belazaima

Bolotas de carvalho roble

Bolotas de carvalho roble

Castanheiro com frutos

Castanheiro com frutos

Descendo até ao Ribeiro de Belazaima, colhemos algumas castanhas, embora a maior parte dos castanheiros ainda não tenha começado a deixar cair a sua produção. Uma planta que não constava na lista do Projecto Criar Bosques mas que apresentava frutos maduros e com sementes era o hipericão-do-Gerês (Hypericum androseamum), um pequeno arbusto que nesta região se encontra espontaneamente apenas em locais sombrios e húmidos. Colhemos pois alguns. Pelo contrário, outras plantas alvo como o sabugueiro, o sanguinho ou o pilriteiro já não tinham frutos. Amadureceram já há algum tempo e as aves fizeram a colheita primeiro.

hipericão-do-Gerês com frutos maduros

hipericão-do-Gerês com frutos maduros

Sabugueiro ''depenado''

Sabugueiro depenado

Um carvalho, esse sim, centenário, existente num cruzamento de caminhos apresentava uma excelente produção de bolota pelo que passámos aí uma boa parte do tempo que restava da manhã, só interrompendo para uma maçã. A paragem suscitou o interesse de algumas aves, que nos observavam de forma insistente, primeiro um pisco-de-peito-ruivo, depois pequenos chapins. De facto, este era um dia também devotado à observação de aves. Mas, um momento, parecia que nós é que estavamos a ser observados… Não seria também dia de observação de humanos?!

Carvalho especialmente generoso

Carvalho especialmente generoso

Deleite visual

Deleite visual

Loureiro em frutificação

Loureiro em frutificação

Depois de um almoço em forma de piquenique e algumas fotos de reconhecimento a esta maravilhosa árvore, antes de deixar o carvalhal ainda colhemos alguns frutos de loureiro, embora na maior parte ainda se encontrassem verdes. Foi tempo então de rumar ao Cabeço Santo para colher frutos do monte. Primeiro de aderno, numa planta que se encontra numa zona muito escarpada perto do Ribeiro de Belazaima. O arbusto, o único aderno conhecido com fruto por estas paragens, encontra-se de facto carregado, mas a maior parte dos frutos está inacessível, com verdadeiro risco de grave queda para quem se aventurasse a colhê-los. Por isso colhemos apenas algumas dezenas em local menos perigoso. Esta área tem muita madeira de eucalipto queimada espalhada pelo chão o que, juntamente com a sua morfologia, torna o acesso difícil. Também há imensas mimosas que, após o corte recente a que foram sujeitas, rebentam agora abundantemente. Um desafio para as próximas acções a realizar aqui.

Aderno em posição dificil

Aderno em posição difícil

Finalmente, subimos às cotas mais elevadas do monte para colher frutos de lentisco. A área alvo foi aquela onde no ano passado se realizou um esforço significativo de controlo da Acacia longifolia, e que é também onde o lentisco produz com mais abundância. Os frutos, claro, são pequenos, e levam algum tempo a colher em quantidade, mas agora, pelo final da tarde, com uma agradável brisa e a luminosidade da paisagem, tudo convidava a ficar por mais tempo, pelo que a colheita foi abundante. Outros frutos como os de medronheiro e murta, ainda se encontravam verdes, pelo que ficarão para uma próxima oportunidade.

Frutos de loureiro, lentisco e aderno

Frutos de loureiro, lentisco e aderno

Colheita do dia

Colheita do dia

E, mais uma vez, deixámos o monte com pena de o dia estar a terminar. Já em Belazaima, reunimos a colheita, que aqui fica em perspectiva. Agora ainda será necessário realizar um trabalho limpeza e escolha das bolotas, e de extracção das sementes dos frutos carnudos, mas isso ficará para outro dia.

Até breve.

Paulo Domingues

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: