Uma jornada difícil

A jornada voluntária de 7 de Dezembro foi a segunda desta época devotada à plantação de árvores e retomou o ponto onde os trabalhos tinham ficado duas semanas antes. Mas esta não iria ser uma jornada fácil: quando a equipa de cinco voluntários chegou ao terreno o sol ainda não tinha chegado ao vale e um intenso manto branco revestia a paisagem. Não era um convite para ficar parado, não obstante a beleza do cenário. Mas logo se verificou, ou melhor, já se sabia, que este não iria ser um terreno fácil: pouco solo, muitas pedras, e sobretudo imensas raízes de mimosa, das mais grossas às mais finas, estas em particular formando quase um “tecido”, aglutinando as partículas de solo e criando uma crosta compacta à superfície que até a água tem dificuldade em penetrar. Estas crostas têm que se desfazer com as mãos, para que se possa desagregar o “tecido” de raízes e para que o respectivo solo se possa misturar com composto e fazer uma boa “cama” para a árvore a plantar. Neste tipo de terreno privilegiou-se a plantação de medronheiros e, quando as condições melhoravam um pouco, sobreiros. Só mais abaixo, já perto das antigas terras agrícolas do vale, se plantou um ou outro carvalho.

A cor branca da geada dominava o vale

A cor branca da geada dominava o vale

Em primeiro plano, a área a plantar

Em primeiro plano, a área a plantar

As árvores, plantadas no vale em 2010, apresentavam uma bonita tonalidade outonal

As árvores, plantadas no vale em 2010, apresentavam uma bonita tonalidade outonal

E assim, com os voluntários divididos em “equipas de abertura de covas” e “equipa de plantação” se passou a manhã. Finalmente as covas ficaram todas abertas e enquanto a equipa de plantação acabava o trabalho, os outros voluntários não resistiram a aplicar os tesourões a umas mimosas ali ao lado. Mas entretanto, com o sol a subir no horizonte, outra dificuldade se apresentava: as melgas começaram a atacar os voluntários, e de tal maneira que por vezes se podia vislumbrar uma nuvem de melgas orbitando à volta de cada cabeça! Felizmente alguém se tinha lembrado de trazer um repelente de insectos, mas, mesmo picando menos, as esfomeadas criaturas não deixaram de desafiar a paciência e a resistência dos participantes, voando bem perto dos ouvidos de cada um, e procurando alguma brecha no repelente…

Equipa de plantação em acção

Equipa de plantação em acção

Pelo final da manhã, já a geada tinha desaparecido do morro e a plantação estava concluída

Pelo final da manhã, já a geada tinha desaparecido do morro e a plantação estava concluída

Depois do almoço a equipa abandonou este local para se deslocar até à cabeceira do vale nº 5, onde uma nova área tinha sido preparada uns dias antes por uma equipa da Associação Florestal do Baixo Vouga para receber a plantação. Este trabalho consistiu na trituração do matagal e no corte das mimosas ainda presentes. O local já tinha sido alvo de uma sementeira de bolotas há dois anos, mas essa sementeira não foi muito bem sucedida, apesar de uma dúzia de carvalhos de origem seminal se poderem encontrar aqui. O solo é bastante fértil numa das vertentes do vale e muito pedregoso na outra, encontrando-se aí até uma área de vegetação espontânea sem indícios de exploração florestal. No entanto as mimosas, que no passado cobriam intensamente o vale, ainda vão permanecendo onde são menos molestadas. Esta foto de 2003, mostra como era esta zona do vale antes do incêndio de 2005:

Foto da cabeceira do vale nº 5 tirada na Primavera de 2003

Foto da cabeceira do vale nº 5 tirada na Primavera de 2003

Depois de 2005, o eucaliptal e as mimosas cresceram rapidamente, e quando, em Julho de 2008, uma equipa de trabalho avançou para o local, já uma densa formação com mais de 5 metros de altura ocupava o terreno.

Em Julho de 2008, equipa no terreno cortando eucaliptos e mimosas no vale

Em Julho de 2008, equipa no terreno cortando eucaliptos e mimosas no vale

Seguiu-se a inevitável pulverização da rebentação com herbicida, mas depois, com tanta lenha espalhada pelo terreno, quase não se conseguia lá entrar! Foi só em 2011 que se fez uma queimada controlada para limpar o terreno dessa lenha.

Queimada realizada em Março de 2011

Queimada realizada em Março de 2011

Perspectiva desta área do vale, após a queimada de 2011

Perspectiva desta área do vale, após a queimada de 2011

Seis meses mais tarde, já no Outono, fez-se a referida sementeira e agora, finalmente, a plantação! Mesmo depois de todos os trabalhos passados ainda foi necessário juntar troncos que a queimada não tinha eliminado completamente, para facilitar os trabalhos presentes e sobretudo os futuros. Neste local, a dificuldade maior era o declive do terreno, com a consequente necessidade de transportar ferramentas, plantas e fertilizantes, encosta abaixo. Bem, se fosse encosta acima, era pior…

Uns dias antes da jornada, uma equipa da AFBV triturou o matagal e o silvado

Uns dias antes da jornada, uma equipa da AFBV triturou o matagal e o silvado

Vertente norte do vale, de carácter rochoso

Vertente norte do vale, de carácter rochoso

Área plantada, já os trabalhos iam avançados

Área plantada, já os trabalhos iam avançados

A moto-serra pequena foi a primeira a “cansar-se”: servia para cortar os troncos demasiado compridos e para desmontar as mimosas recentemente cortadas, mas, depois de já ter trabalhado algum tempo, desistiu definitivamente… Mas os voluntários, esses, persistiram toda a tarde, e foi só quando o sol já se punha atrás do Cabeço do Meio que se puseram a caminho de casa… De casa? Não, do medronheiro mais próximo! Infelizmente os medronhos mais acessíveis já tinham sido “depenados” mas ainda havia os menos! Foi uma merecida recompensa para um dia de difíceis e esforçados trabalhos, ainda complementada por um lanche de pão com mel Cabeço Santo, já dentro de portas, e pela recolha de um frasquinho de mel de 150g para levar para casa!

Um último raio de sol iluminava ainda os voluntários quando, ainda com os materiais em mãos, davam por finalizada a jornada

Um último raio de sol iluminava ainda os voluntários quando, ainda com os materiais em mãos, davam por finalizada a jornada

Mas ainda havia os medronhos, logo ali há frente!

Mas ainda havia os medronhos, logo ali à frente!

Tinha sido, naturalmente, mais uma memorável jornada! Mas os trabalhos neste local ainda não terminaram: a próxima jornada de plantação recomeçará aqui.

Estejam atentos à próxima época de Inverno, com as suas jornadas, a anunciar já em breve!

P.D.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: