A jornada de 25 de Abril

No dia 25 de Abril realizou-se uma jornada voluntária não prevista no plano inicial de jornadas, mas que, de alguma forma, se veio substituir à prevista para 11 de Abril, que não se realizou. Contudo, para a de 25 as previsões meteorológicas eram de chuva, o que não impediu os voluntários de virem até ao Cabeço Santo, não fosse dar-se o caso, já tantas vezes ocorrido, de as previsões serem desafiadas pela realidade. E a manhã pareceu querer confirmar isso mesmo. Nuvens no céu, é certo, mas sem sinais de quererem regar a terra. E contudo, dado o tempo bem mais seco do que é normal que se tem feito sentir desde Março, que a terra bem aspirava por essa água que pairava lá por cima, quase fazendo-nos ter desejos contraditórios: que não chovesse para podermos trabalhar, e que chovesse para regar a terra e as viçosas plantas com que a Primavera, apesar da pouca água, nos brindou.

Mas, em todo o caso, tais desejos eram apenas uma diversão da mente. Havia que passar à acção, já que as condições o permitam.

O destino foi, mais uma vez, a zona de carvalhal do Cambedo, onde já tinham decorrido várias jornadas de Inverno. Agora, é claro, a paisagem tinha mudado radicalmente desde a última vez, e uma explosão de cores, desde o verde claro dos carvalhos, ao amarelo vivo da carqueja e ao vermelho da queiró (Erica umbellata), tornavam-na vibrante, quase fazendo esquecer as ameaças e os problemas. E assim, até dava mais gosto trabalhar.

Os carvalhos, agora

Os carvalhos, agora “vestidos” de fresco

Mancha de matagal em solo pobre

Mancha de matagal em solo pobre

Matagal e medronheiro plantado em 2009

Matagal e medronheiro plantado em 2009

Detalhe da flor da carqueja

Detalhe da flor da carqueja

Outro conjunto de carvalhos com o matagal em fundo

Outro conjunto de carvalhos com o matagal em fundo

Simethis mattiazzi, e suas delicadas flores

Simethis mattiazzi, e suas delicadas flores

O trabalho, esse, foi sobretudo de corte de mimosas, partindo da mancha de carvalhal, onde já tínhamos trabalhado, em direcção ao vale nº 6, já na propriedade da Altri Florestal. Aqui o solo é muito mais pobre do que ali uns metros ao lado, condição agravada por uma mobilização de solo antiga para plantação do eucaliptal, que, muitos anos depois, ainda se revela, por vezes com crateras profundas no terreno pedregoso. Esta foi uma das primeiras áreas de reconversão de eucaliptal na mata da Altri Florestal, iniciada ainda em 2008. Em 2009 e 10 foram plantados medronheiros nas áreas mais pobres e carvalhos em torno do vale, mas também foi aqui que as mimosas mais aguerridamente se mantiveram, beneficiando do acesso difícil e das condições de humidade. Contudo, aproveitando uma antiga levada de rega que aqui havia, a equipa de voluntários foi progredindo em direcção ao vale, finalmente conseguindo lá chegar já pelo final da manhã, na zona da sua “foz” no ribeiro.

Sempre e ainda as mimosas

Sempre e ainda as mimosas

Trabalho dos voluntários já junto ao vale

Trabalho dos voluntários já junto ao vale

Corte de uma mimosa; lá ao fundo, o vale

Corte de uma mimosa; lá ao fundo, o vale

O almoço ainda decorreu com normalidade até certo ponto, que foi aquele em que começou, quase de repente e sem avisar, a chover copiosamente. As coisas foram arrumadas à pressa e o resgate de vários equipamentos que se encontravam no campo, fez-se já sob chuva intensa.

A tarde parecia estar destinada, mas não para ir para casa. Aproveitando uma ou outra aberta, visitaram-se várias áreas onde trabalhos de recuperação se estão para iniciar, no sentido de colher ideias e suscitar reflexões. Por vezes o panorama é confrangedor e as dificuldades parecem enormes. Mas sobre isso, sobre as novas áreas de intervenção e seus trabalhos falaremos num artigo dedicado. Para já apenas um pequeno vislumbre.

Depois da lenha que aqui se acumulou já em Dezembro de 2013, esta área ainda vive o seu

Depois da lenha que aqui se acumulou já em Dezembro de 2013, esta área ainda vive o seu “ano 0”

Obstruído, o ribeiro galgou as margens e levou o solo

Obstruído, o ribeiro galgou as margens e levou o solo

Viúvas, erva-pombinha (Aquilegia vulgaris), na margem do ribeiro

Viúvas, erva-pombinha (Aquilegia vulgaris), na margem do ribeiro

Mimosas dominando a margem

Mimosas dominando a margem

Também aqui, ano 0

Também aqui, ano zero

Tudo por fazer, também aqui

Tudo por fazer, também aqui

Jovem voluntário procurando compreender o que se passou

Jovem voluntário procurando compreender o que se passou

Voluntários observam recuperação de eucaliptos nuam zona muito declivosa

Voluntários observam recuperação de eucaliptos numa zona muito declivosa

A foto de despedida não se tirou, devido à chuva. Mas eram cinco os voluntários presentes.

Para já não se omite a jornada prevista para 2 de Maio, não obstante ser já dentro de uma semana. Havendo voluntários, faz-se na mesma! Até lá.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: