1ª jornada de Inverno

Iniciou-se com grande dinâmica o ano voluntário de 2016 no Cabeço Santo com uma jornada de plantação de árvores na qual terão participado umas 17 pessoas, embora nem todas o dia todo. As árvores eram carvalhos, sobreiros, azereiros, lódãos, amieiros e freixos, sendo que os carvalhos tinham sido produzidos localmente. O local foi o “corredor ecológico” ribeirinho na margem direita do Ribeiro de Belazaima, imediatamente a jusante do portão da mata da Altri Florestal. Aqui a intervenção iniciou-se em 2015, numa área que tinha essencialmente eucaliptos, agora apresentando ainda uma rebentação seca devido à eliminação por aplicação de herbicida a que foram submetidos.

Como havia alguns voluntários estreantes nestes trabalhos e no Cabeço Santo, começou por se fazer uma pequena demonstração do trabalho de plantação. E eis que este se inicia com uma cuidada selecção de cada local de plantação. Num terreno como este, uma encosta por vezes inclinada, voltada a sul e já sujeita no passado a uma mobilização para a plantação dos eucaliptos, a superfície é irregular e com muitos afloramentos pedregosos à superfície. Ora, o local de plantação deve ter o mais solo possível, mas isso não é imediatamente visível ao olhar. É necessário desenvolver uma intuição apurada para identificar os melhores pontos do terreno mesmo que eles estejam cobertos de ramada ou vegetação. Seleccionado o local, abre-se a cova com uma picareta ou com uma enxada, mas se se descobre que o local afinal não era bom, o melhor é abandoná-lo, sobretudo se a árvore a plantar for um carvalho ou um sobreiro, que são plantas mais exigentes. Depois de aberta a cova coloca-se um adubo fosfatado de fertilização em fundo, que tem como objectivo estimular o crescimento das raízes. Acrescentam-se também algumas mão cheias de composto orgânico e mistura-se muito bem com o solo. Depois coloca-se a planta e distribui-se a terra do buraco em torno do torrão. Finalmente, coloca-se, pelo menos nos carvalhos, um tubo de protecção. E já está! Parece fácil, mas neste terreno pedregoso, inclinado e com raízes de eucalipto nem sempre é fácil abrir um buraco e a ferramenta é pesada. Mas, como a motivação dos voluntários era grande, os trabalhos decorreram com grande animação durante a manhã.

DSC_0022

Os trabalhos começaram com uma explicação de como se faz

DSC_0025

Pontapé de saída: a primeira cova!

DSC_0032

Primeira árvore plantada!

DSC_0039

Perspectiva da área a plantar

DSC_0033

Tabuleiro de sobreiros, já os trabalhos iam avançados

AV-3

Equipa em movimento 1

AV-4

Equipa em movimento 2

AV-6

Equipa em movimento 3

DSC_0050

Equipa em movimento 4

DSC_0048

Equipa em movimento 5

À tarde, as dificuldades em vez de diminuírem, para contrariar o cansaço crescente, aumentaram! O terreno tornou-se mais inclinado e era mais difícil encontrar um bom local de plantação. Mas curiosamente, como aqui o eucaliptal não era tão vigoroso, era possível encontrar muita rebentação de carvalho, para além de árvores danificadas pela queda dos eucaliptos. Estas são as plantas que agora é precioso recuperar, pois já têm um sistema radicular desenvolvido e beneficiam da ausência dos poderosos concorrentes com os quais tiveram de competir até agora.

DSC_0040

Sobreiro plantado

DSC_0049

Azereiro plantado

DSC_0058

Vislumbrando o futuro nos céus, uma bonita foto do Abel Barreto

Foi um dia fresco mas muito luminoso, o que ajudou a manter o entusiasmo em níveis elevados. O crepitar das abundantes águas do ribeiro lá em baixo e a visão de uma pequena mancha de carvalhal que conseguiu sobreviver nas margens do ribeiro a décadas de exploração do eucaliptal também ajudaram e muito. Como nota de curiosidade, a área de eucaliptal que agora se podia observar atrás da mancha de carvalhos da margem esquerda do ribeiro foi uma das primeiras a ser plantada nesta freguesia, ainda em finais da década de 40. Agora imaginem este pedaço de paisagem daqui a outros 75 anos! Que história poderá contar?

DSC_0060

Foto final, já sem todos os participantes

DSC_0066

Descubra as diferenças!

Um obrigado a todos os voluntários, que vieram desde Lisboa até Aveiro, passando pela Figueira da Foz! E ao grupo de “Ajudadas” do Aveiro em Transição! No Cabeço Santo é por demais evidente que estamos em “transição”!

As fotos foram de Abel Barreto, António Vidal e Paulo Domingues.

As jornadas de plantação de árvores continuam já dentro de duas semanas. Até breve!

Anúncios

1 Response so far »


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: