Archive for Fevereiro, 2017

A jornada TEDx

Finalmente a reportagem da jornada especial do Sábado passado, participada pelo grupo organizador dos TEDx Aveiro. Esta jornada foi marcada por alguma incerteza, pois as previsões apontavam para alguma chuva, mas a ousadia prevaleceu sobre o receio e o grupo decidiu manter a sua participação.

Como que para assustar os mais temerosos, pelas 9 horas, hora prevista para o grupo sair de Aveiro, chovia copiosamente, mas logo chegaram notícias animadoras provenientes dos lados de Vagos: a chuva deveria passar em breve! E assim foi: pelo meio da manhã, quando o grupo finalmente conseguiu chegar ao terreno, já o sol brincava com as nuvens.

16836565_10154245916930848_3780514856083223248_o

A chegada

16836564_10154245920795848_6975753380594971644_o

A caminhada até ao local de plantação

O local escolhido foi a encosta a nascente da linha principal do Vale de Barrocas, onde só ainda se tinha plantado uma pequena faixa. Claro, iniciou-se com a necessária “formação”, para que todos trabalhassem de forma esclarecida…

16836481_10154245915225848_192252660900726169_o

A formação

16836134_10154245920825848_83350256054636214_o

Ainda a formação

16716344_10154245921640848_4705262886076163006_o

A área a plantar

Como era um grupo grande, uma parte dedicou-se ao corte de rebentação de eucalipto, mais para oeste na parcela. O grupo que iniciou a plantação deparou-se com uma área bastante dura: solo superficial e pedregoso, declive elevado… Foi um acolhimento difícil, mas ninguém desanimou e a verdade é que, com a progressão, o solo se tornou mais fácil de trabalhar.

16825764_10154245917600848_7166862462780007886_o

A acção

16825752_10154245914725848_5347737619211492399_o

Azevinhos

16819264_10154245918210848_1090033103714927292_o

Muitas plantas diferentes para conhecer

O almoço contou com umas novas especialidades caseiras produzidas por uma colaboradora aveirense, e foram bastante apreciadas…

À tarde o cansaço foi-se apoderando de alguns voluntários menos habituados a estes exigentes trabalhos, mas outros deram provas da sua resistência e a actividade prolongou-se até quase às 17 horas, quando se estava já a cruzar o vale.

16819109_10154245917605848_6891174337321904205_o

O trabalho mais difícil

16797306_10154245917385848_1230335467321157177_o

O corte da rebentação de eucalipto

16722667_10154245920185848_2083338965508695897_o

O final

Eram voluntários de 1º experiência (no Cabeço Santo), mas apesar disso quase tudo decorreu muito bem. As fotos são do voluntário Ivo Tavares – Ivo Tavares Studio e uma colecção mais completa pode ser visitada na página do TEDx Aveiro no Facebook.

Um obrigado a todos!

Paulo Domingues

Anúncios

Comments (1) »

A jornada de 11 de Fevereiro

A jornada de Sábado passado no Cabeço Santo foi mais uma intensa jornada de plantação de árvores participada por oito voluntários, dois deles estreantes.

O dia estava frio e sem previsão de chuva, o que convidava à acção, e assim aconteceu: a equipa continuou a plantação no Vale de Barrocas a uma cota mais elevada do que nas jornadas anteriores, continuando a subir o Cabeço do Meio. A plantação desenvolveu-se em torno de um grande barranco artificial, escavado na montanha para melhor captar a água de nascente, que daqui ainda segue para uma habitação da aldeia do Feridouro, mas que, pela sua abundância, transborda da caixa de onde sai o tubo, podendo ser utilizada.

O barranco ainda estava ocupado por rebentação de eucalipto e de facto, o primeiro trabalho da equipa ao chegar ao terreno foi cortar rebentos de eucalipto, o que proporcionou um bom aquecimento muscular! Passados menos de 30 minutos a plantação iniciava-se. Carvalhos, castanheiros, pilriteiros, azereiros e azevinhos eram as principais plantas disponíveis.

dsc_0769

Dois voluntários estreantes, mas já à vontade na sua missão

dsc_0773

Vista das encostas adjacentes ao vale de Barrocas

dsc_0774

Pequeno vale, afluente do principal, em torno do qual se desenrolaram os trabalhos

O declive e o solo perturbado na zona do barranco foram as principais dificuldades encontradas pela equipa, mas os trabalhos avançaram com animação durante a manhã. Um ou dois elementos foram também cortando rebentação de eucalipto, trabalho que também se prolongou por todo o dia.

Pelo meio dia, um prato quente vegetariano foi servido aos voluntários, que muito o apreciaram, endereçando louvores à cozinheira, também ela voluntária. E fizeram votos para que comida assim pudesse continuar no futuro! Sempre que possível, assim será, é a promessa da organização.

dsc_0776

Um prato vegetariano, e quente!

dsc_0777

Qualquer posição serviu para saborear o almoço!

dsc_0781

A água brotava da caixa de cimento de onde parte a conduta para a aldeia

À tarde os trabalhos desenvolveram-se para mais longe do barranco, para nascente, e o solo, embora com bastante matagal em alguns locais, tinha menos pedras e era mais fácil de trabalhar. Claro, “mais fácil” não significa nunca “fácil” pois a abertura de covas à picareta, num terreno nunca mobilizado, com tocos e raízes de eucalipto e raízes das plantas do matagal, nunca é exactamente “fácil”. Vamos sonhando com a retro-aranha, a máquina que conseguiria trabalhar aqui, e talvez um dia a possamos ter e aliviar os nossos braços, mas para já é com eles que temos de contar…

dsc_0787

Os trabalhos decorreram em torno deste barranco

dsc_0783

A vegetação espontânea de porte arbóreo já existente era escassa, mas podiam encontrar-se facilmente carvalhos e medronheiros

dsc_0789

Transporte eficiente de materiais

dsc_0799

Trabalhos desenrolando-se na encosta

dsc_0805

O corte da rebentação de eucalipto também ocupou alguns voluntários durante todo o dia

dsc_0821

Azevinho plantado

dsc_0824

A equipa, no final do dia

A frescura do dia ajudou a que as energias se mantivessem em alta e a equipa não desarmou até que as cerca de 300 árvores trazidas estivessem na terra. Já passava das 18 horas e já escurecia quando se fez o caminho de regresso. Tinha sido uma excelente jornada de plantação. Obrigado pela dedicação, mesmo devoção, de todos os voluntários a esta causa e à sua participação neste dia!

Mais fotos da jornada na página do Facebook.

Até breve!

Paulo Domingues

Comments (2) »

Notícias do Cabeço Santo e de lá perto

Ontem, 4 de Fevereiro, não se chegou a realizar a prevista jornada voluntária de plantação de árvores. Pelo menos durante a manhã a chuva seguiu fielmente as previsões e caiu regularmente, embora assim já não tenha acontecido durante a tarde. Mesmo assim, o “destino” desta jornada estava traçado…

Mas como o Inverno não espera e as árvores não se plantam sozinhas, não nos podemos dar ao luxo de simplesmente cancelar a jornada, assim, adiamo-la para o Sábado seguinte, 11 de Fevereiro, esperando poder ainda contar com a disponibilidade de alguns voluntários. Depois, no dia 18, teremos uma jornada extra para um grupo organizado e esperamos no dia 25 poder voltar ao calendário normal.

Entretanto, aproveitamos para oferecer algumas cenas invernais, algumas pacíficas e bucólicas, outras preocupantes, mas ainda assim não isentas de beleza…

Do Feridouro obteve-se esta perspectiva das terras do Cortinhal, que já foram agrícolas, eucaliptal durante algumas décadas, e que agora se recuperam, mas por certo com muito mais carvalhos e castanheiros a rodeá-las do que alguma vez tiveram:

dsc_0754

Depois do eucaliptal…

Já junto ao Vale de São Francisco obteve-se a seguinte, onde não deixam de chamar a atenção as mimosas que ainda persistem na encosta, agora quase a florescer, não obstante todo o trabalho que já lá foi realizado:

dsc_0761

Junto ao Vale de São Francisco, quase no seu encontro com o ribeiro

Ainda do Feridouro, este formoso cogumelo:

dsc_0756

Bonito cogumelo!

Agora já em Belazaima, e logo num grande carvalho de uma parcela da Quinta das Tílias, observou-se esta cena:

dsc_0748

Um ninho de vespa asiática, num carvalho da Quinta das Tílias

É verdade, trata-se de um ninho de vespa asiática, que ali foi construído há meses enquanto cá em baixo tantas vezes se trabalhou sem se suspeitar que logo ali, escondida pela folhagem, se encontrava esta colónia dos perigosos e invasores insectos devoradores de abelhas. E contudo, não deixa de ter uma certa beleza…

Não longe do ninho de vespas, as águas do ribeiro, turvas pelos sedimentos que arrastam, seguem o seu curso até ao Rio Águeda, enquanto atravessam este recanto de castanheiros e vegetação ribeirinha em pleno repouso invernal…

dsc_0714

O Ribeiro de Belazaima

E para terminar, uma cena que quase poderia pensar-se ser dos green fields of England, decorados pelos seus grandes carvalhos, e que só os eucaliptos lá ao longe conseguiriam relocalizar. E de facto é apenas Belazaima, claro, não qualquer sítio de Belazaima, um sítio especial…

dsc_0740

Uma cena de Whiltshire ou do Somerset? Não, de Belazaima!

Encontramo-nos de novo em Belazaima, no dia 11, para mais uma grande jornada voluntária de plantação de árvores! Até lá.

Paulo Domingues

Comments (2) »

Jornada especial de 28 de Janeiro

No Sábado passado tivemos uma jornada voluntária especial e fora do calendário: um grupo de pequenos voluntários escuteiros veio ao Cabeço Santo aprender, fazer e apreciar o trabalho que levamos a cabo para recuperar a paisagem e a biodiversidade. Eram apenas quatro voluntário e dois responsáveis, mas quem sabe, levam a semente consigo e ela traz de volta muitos frutos…

Depois de uma pequena explicação sobre as espécies que plantamos e da sua relevância para a floresta autóctone da região, a equipa deslocou-se até ao “corredor ribeirinho” a jusante dos portões da Mata do Cabeço Santo (Altri Florestal). Esta área recebeu no ano passado as suas primeiras plantações, sobretudo de árvores, mas entre estas ainda havia lugar apropriado à introdução de arbustos, e foi este trabalho de adensamento e “construção” do estrato arbustivo que a especial equipa deste dia realizou.

dsc_0642

O Chão do Linho e o ribeiro, avistados do local escolhido para plantar

dsc_0644

A equipa, pronta para iniciar o trabalho

dsc_0648

Um carvalho plantado no ano passado neste local

As espécies trazidas foram o medronheiro, o lódão-bastardo, o folhado, o lentisco e a murta, sendo que três destas espécies têm ocorrência espontânea conhecida neste espaço, ainda que se encontrem em estado bastante “esfarrapado”, dado o passado de exploração florestal de eucalipto desta área.

Os voluntários dedicaram-se afincadamente durante a manhã, tendo-se naturalmente deixado para os mais pequenos os trabalhos que não exigiam tanto esforço físico, que para isso ainda precisam de alguns anos…

dsc_0658

Plantando uma murta

dsc_0650

Medronheiro já plantado, com um toque de arte

Algumas plantas foram recebendo nomes invulgares, assumidamente na expectativa de que quem as plantou, ou ajudou a plantar, as possa acompanhar e visitar ao longo dos anos e até talvez, passar a tradição para filhos e netos, de tal maneira que daqui por 100 anos ainda alguém se lembre dos nomes dados a estas plantas, e por quem!

dsc_0665

O esforço exigido não tirou a boa disposição

dsc_0661

Em busca de um bom local de plantação

dsc_0671

O trabalho mais pesado ficou para os mais crescidos…

dsc_0673

E assim se passou a manhã!

Depois de uma manhã de trabalho, a equipa entregou-se ao merecido almoço e à tarde teve um programa mais educativo, usufruindo de uma pequena visita guiada a diferentes áreas de intervenção com características e necessidades particulares. E pelo meio da tarde terminou a sua participação, porque tinha de regressar casa.

Oxalá tenham gostado da participação! E que os arbustos que plantaram ainda um dia lhes possam fazer sombra, e que os participantes de hoje possam usufruir dessa sombra!

Obrigado a miúdos e graúdos!

Paulo Domingues

Comments (1) »