Apelo ao voto e divulgação do OPP projeto 123 Aprender fazendo – Centro de Educação e Ação Ambiental

folheto_opp

Olá a todos,

Venho apelar, ao vosso possivel voto e divulgação, em que eu colaborei na ideia e proposta.

No âmbito do Orçamento Participativo Portugal 2017, este é o projeto #123 para votação.
De 7 de junho a 10 de setembro de 2017, votação pelos cidadãos nos projetos do OPP da sua preferência.

https://opp.gov.pt/propostas/todas/422-aprender-fazendo-centro-de-educacao-ambiental

Página do Facebook
https://www.facebook.com/Aprender-fazendo-Centro-de-Educa%C3%A7%C3%A3o-e-A%C3%A7%C3%A3o-Ambiental-1336652936441724/

Âmbito: Regional
Área: Educação e Formação de Adultos
Zona(s) Geográfica(s): Centro

Projeto a implementar entre 01/01/2018 e 31/12/2018, dinamizado por uma equipa que coordene e impulsione as suas várias vertentes mantendo o foco nas ações de formação a adultos. Custo estimado: 200 mil euros.

“O Projeto Cabeço Santo (Águeda) e o Movimento Gaio (Arouca – Serra da Freita) visam a recuperação de áreas florestais degradadas através da introdução de espécies de árvores e arbustos autóctones, para além de outras práticas, como a sensibilização junto da população geral, tentando desta forma encontrar novamente um equilíbrio perdido no ecossistema onde atuam.
Para que seja possível alcançar esta meta de forma cada vez mais plena, será necessário um esforço adicional ao que já tem sido feito, uma vez que com mais meios e pessoas se poderá chegar mais longe. É daqui que surge a necessidade de criar um Centro de Educação e Ação Ambiental que servirá de apoio a estes dois projetos. Para além disso, e como consequência, será um meio de criar uma maior consciência do cidadão ativo para a importância do equilíbrio dos ecossistemas e biodiversidade num futuro sustentável. Rumo a um clima em mudança, a ação de cada ser humano num esforço coletivo é o maior contributo para a recuperação de paisagens e gestão de áreas de conservação da natureza.
A ideia será criar ou usar um espaço já existente para formação, educação, sensibilização e divulgação do trabalho voluntário realizado nos projetos. O espaço poderá servir também como armazém e, se possível, existir no exterior um viveiro com uma pequena estufa.
Este centro terá como principal função receber e formar adultos inscritos no IEFP, sapadores florestais, pastores e outros. Após a formação, seria dada a oportunidade de fazer estágio e trabalho de campo, colocando os conhecimentos em prática. Desta forma seria possível aprender fazendo.
As ações seriam de mapeamento das áreas de intervenção, trabalho de campo e em viveiros, vigilância da floresta e áreas de conservação, recolha e processamento de sementes, reconhecimento de espécies da flora e fauna, monitorização de biodiversidade e espécies invasoras e outras ações na mesma temática.
Haveria a necessidade de contratar técnicos para dar formação (através de estágio, por exemplo) em Biologia, Ambiente, Planeamento do Território e outras áreas.
Para assegurar o transporte para os locais de campo, seria ideal uma parceria com a autoridade da Proteção Civil, Juntas de Freguesia e Câmaras Municipais.
Após a formação neste centro e experiência nos projetos, os formandos seriam mais capazes de, no futuro, trabalhar em outros projetos de recuperação e baldios, criar o seu próprio projeto, trabalhar como operacionais em associações florestais, associações de conservação e outras instituições.”

Muito obrigado
Jorge Morais

Anúncios

1 Response so far »


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: