Archive for jornadas de trabalho

2ª Jornada de Verão

A segunda jornada voluntária de Verão, e última antes das “férias voluntárias”, decorreu no dia 15 de Julho e foi dedicada à rega das árvores e arbustos plantados no último Inverno.

Com uma participação de 8 voluntários (9 de manhã), e a experiência adquirida a duras penas no ano passado, a equipa foi para o terreno devidamente equipada, com um depósito de mil litros na carrinha, uma mangueira de 50 metros com torneira na extremidade, vários regadores e uma moto-bomba a gasolina. Os trabalhos iniciaram-se na Benfeita e aí decorreram quase toda a manhã, em terreno difícil, tendo o mais fácil sido mesmo o enchimento do depósito, a partir do tanque de rega aí existente. As árvores lá se encontravam, em geral em bom estado, até mesmo algumas das que foram afectadas pelo incêndio de 28 de Abril!

DSC_1617

Trabalhos em curso na Benfeita

DSC_1621

O terreno acidentado e os obstáculos (neste caso ramada de eucalipto) foram as principais dificuldades a ultrapassar.

O dia estava quente, embora não excessivamente, mesmo assim, e dado o esforço da manhã, justificou-se plenamente um repouso um pouco mais alongado a seguir ao almoço, à sombra revigorante dos carvalhos do Cortinhal.

À tarde, os trabalhos continuaram a montante do Feridouro, no “corredor” ribeirinho, mas o calor ainda era bastante, o que desafiou a capacidade de resistência dos voluntários.

DSC_1625

Já a montante do Feridouro, uma árvore espontânea. Menos vulnerável do que as plantadas, por certo que também agradece a ajuda.

DSC_1631

Rega “directa”!

DSC_1632

Uma perspectiva do estado actual do “corredor” ribeirinho

Já a tarde ia avançada quando nos deslocámos até ao terreno do Vale de São Francisco para a parte final da rega. Primeiro os socalcos, do lado de baixo do caminho e finalmente acima dele, com a ajuda da moto-bomba. Este terreno, já se sabia, não era nada fácil e a rebentação de eucalipto remanescente contribui para o tornar ainda paisagisticamente difícil de apreciar. Mas as árvores plantadas lá estão, com algumas baixas, é certo, que as condições são duras, mas para as resistentes esta rega deve ter sido um bálsamo. Esperamos reencontrá-las de boa saúde no final do Verão!

DSC_1633

Um medronheiro, já no Vale de São Francisco

DSC_1638

Os últimos litros

DSC_1644

A equipa que fez todo o dia

Quando a jornada terminou já eram quase 19 horas. Tinha sido uma grande jornada e um esforço notável de todos os voluntários. Obrigado!

Os trabalhos voluntários voltam logo no início de Setembro. Mas até lá muito vai acontecer no Cabeço Santo! Boas férias!

Paulo Domingues

Comments (1) »

1ª Jornada de Verão

Realizou-se no dia 1 de Julho a primeira jornada voluntária do Verão de 2017. Participada por voluntários de quase meio país, a maior parte deles estreantes, contou com um dia fresco e agradável, nem parecendo dar as boas vindas ao mês mais quente do ano.

Os trabalhos decorreram numa área da Benfeita onde se tinham plantado árvores no último Inverno e onde o fogo chegou a tocar no dia 28 de Abril, embora sem fazer grandes estragos. Aqui a rebentação das antigas toiças de eucalipto tem-se realizado por persistente intervenção de corte e de facto muitas “compreenderam” que o seu tempo já terminou, mas outras ainda continuam a insistir. Por isso os trabalhos deste dia consistiram essencialmente no corte de rebentação com machados. Ainda houve também uma pequena intervenção numa mancha complicada de Acacia melanoxylon que aí existe, mas a densidade das plantas é tão grande que parece exigir outro tipo de intervenção.

DSC_0001

Embora fosse eucaliptal, já por aqui existiam outras espécies, sobretudo sobreiros, carvalhos e medronheiros

DSC_0007

Foi um trabalho de machados na mão

DSC_0015

A rebentação de eucalipto já não era muito densa

Depois do almoço a equipa fez uma interrupção um pouco mais prolongada para efectuar uma “visita de estudo” à área florestal da Quinta das Tílias afectada pelo incêndio. Observaram-se árvores mais e menos danificadas e discutiram-se as causas para os danos maiores e o que haverá a fazer para os minorar no futuro. Aqui havia manchas de matagal, embora não sob a copa das árvores. Contudo, o vento fez as chamas e o calor deslocarem-se lateralmente atingindo copas a 3 ou 4 metros dessas manchas. Conclui-se que não pode haver manchas de matagal crescido mesmo a essas distâncias das copas, o que por sua vez requer uma maior densidade de plantação, para, tão cedo quanto possível, limitar o crescimento dessas manchas. Verificou-se também como os fetos secos do ano anterior podem causar grandes danos às copas das árvores, mesmo já relativamente crescidas.

IMG_8840

Visita à área afectada pelo incêndio

IMG_8842

À esquerda, um pequeno sobreiro, mas já com a copa praticamente recuperada. Os carvalhos, é certo, são, com este tamanho, mais vulneráveis

Depois da visita, os voluntários voltaram ao trabalho na Benfeita, conseguindo concluir o trabalho na rebentação de eucalipto antes do final do dia. Tiveram também oportunidade de constatar o bom crescimento das árvores plantadas este ano.

IMG_8864

De volta à rebentação de eucalipto, na zona onde o fogo foi detido

IMG_8873

Só ficaram rebentos maiores, que serão cortados mais tarde com motoserra

19679723_484180995258841_128364520_n

Um céu de fim de tarde, sob o alvo das atenções deste dia!

DSC_1613

A equipa do dia, já na base de operações

Foi um dia produtivo e instrutivo. Obrigado aos voluntários, em particular aos novos e vindos de longe! As fotos são da Esmeralda, da Filipa e do Pedro.

Continuamos já no terceiro Sábado de Julho! Até já.

Paulo Domingues

Comments (1) »

Cuidar das árvores

A jornada de 3 de Junho decorreu com um dia fresco e húmido, no qual o sol ficou escondido atrás da neblina matinal até quase ao meio dia. Foi participada por 5 voluntários, que se empenharam na importante acção de cuidar das árvores plantadas nos últimos dois anos, mas principalmente das plantadas em 2016, já que a maior parte das plantadas em 2017 desapareceu no incêndio de 28 de Abril.

O cuidado que as árvores precisam é a remoção de plantas espontâneas que se implantam, por vezes vigorosamente, junto aos pés das árvores plantadas, e a reconstrução, se necessário, das pequenas caldeiras em torno das árvores, para que melhor possam aproveitar a água da chuva.

Os trabalhos iniciaram-se nos antigos socalcos de eucalipto da área conhecida por “Costa”, logo a jusante das terras do Feridouro. Apesar das condições difíceis do solo, a maior parte das árvores encontrava-se com boa vitalidade. Uma surpresa agradável foi a observação de um ninho de águia-de-asa-redonda, ironicamente numa grande mimosa, de onde as duas crias ensaiavam os primeiros voos.

DSC_1471

Os trabalhos iniciaram-se nos socalcos da Costa

DSC_1473

Um lódão-bastardo

DSC_1474

Um medronheiro

DSC_1476

Um carvalho

DSC_1481

Concorrência de uma planta espontânea, aliás exótica e invasora, com um medronheiro

DSC_1482

Trabalho em curso

DSC_1483

Continuação do trabalho

DSC_1485

Quase concluído!

DSC_1486

Um ninho de águia-de-asa-redonda numa mimosa!

Foi-se depois avançando para jusante, para as antigas várzeas da Chousa, antes completamente invadidas por mimosas. Por isso ainda agora, e mesmo depois de já aqui se terem arrancado milhares de jovens plantas de mimosa, estas continuam com abundante presença. Contudo na primeira das várzeas, onde se realizou uma mobilização de solo para arranque dos tocos de mimosa, a terra era agora dominada pelas dedaleiras, uma planta pioneira em solos perturbados. Nesta várzea foi já plantada uma dúzia de espécies de plantas nativas, entre árvores e arbustos. Estavam em geral bastante crescidos, com os carvalhos a serem aqui os mais débeis.

DSC_1492

Numa das várzeas da Chousa

DSC_1494

Um freixo depois de cuidado

Atravessou-se o ribeiro para a parcela a sul do mesmo, onde uma antiga plantação de freixos exóticos ainda chama a atenção. O silvado é que se foi aproveitando da luz deixada pela saída das grandes mimosas que aqui se encontravam e por pouco já era um obstáculo à simples passagem.

DSC_1498

Como habitualmente, não foi só trabalhar!

DSC_1504

Uma bonita borboleta numa flor de batón-azul

Seguiu-se a encosta da Chousa, uma área inclinada e rochosa, onde se tinham plantado sobretudo medronheiros e sobreiros, e onde surgiu uma mancha de plantas pioneiras “não convidadas”: as giestas. Quanto aos medronheiros e aos sobreiros, encontravam-se com muito boa apresentação! Mas a manhã chegava ao fim e não era possível continuar para jusante, até à represa: para a tarde tínhamos planos de trabalho mais para montante.

DSC_1508

Um medronheiro na encosta da Chousa, em companhia de uma gramínea espontânea

DSC_1509

Voluntário cuidando de um sobreiro

DSC_1510

Voluntário arrancando uma mimosa

Depois de um agradável almoço ao som do crepitar das águas do ribeiro, dos cantos das aves (e um especialista a identificá-los!), e depois de uma boa sesta, os trabalhos continuaram, agora no corredor ribeirinho a jusante dos portões da Mata da Altri Florestal, primeiro logo a seguir ao Feridouro e depois dos portões para jusante. Aqui, não obstante a dureza das condições do terreno e a exposição sul, constatou-se que as árvores plantadas em 2016 tinham crescido surpreendentemente bem!

DSC_1517

Trabalhos a seguir ao Feridouro

DSC_1519

Perspectiva do corredor ribeirinho. A sul do ribeiro, o eucaliptal queimado no dia 28 de Abril

DSC_1532

Arranque de mimosas em zona difícil

DSC_1535

Vista geral dos trabalhos e do “corredor ecológico”

DSC_1539

Contrastes!

DSC_1540

Um carvalho de origem seminal

DSC_1541

O que ainda há dois anos era um morro inóspito e nu vai-se tornando mais vivo

DSC_1543

Um medronheiro plantado em 2016

DSC_1550

Agora já junto aos portões da mata, um lódão-bastardo já crescido, mas com muita “concorrência”

DSC_1555

Depois de cuidado!

DSC_1547

Voluntário visivelmente impressionado com o estado de desenvolvimento desta árvore!

E a tarde não iria acabar sem mais uma observação deliciosa: um ninho com crias (o segundo do dia!), muito provavelmente de águia-de-asa-redonda, mas curiosamente numa árvore (desta vez um carvalho!) que tinha sido bastante chamuscada pelo incêndio de 28 de Abril, quando por certo já havia pelo menos ovos em choco.

DSC_1561

Para terminar em beleza: observação de um ninho de águias, agora mais jovens do que as primeiras

DSC_1564

Outra observação animadora: as árvores queimadas em 28 de Abril já rebentam!

DSC_1565

A feliz equipa deste dia

Foi o final de um dia muito produtivo e animador (provavelmente mais de 90% das árvores plantadas encontravam-se vivas e bem de saúde!), quase a fazer esquecer a paisagem queimada que também nos acompanhou ao longo de todo o dia em 2º plano. Voltaremos a ela em força, noutra oportunidade!

Até breve!

Paulo Domingues

Comments (1) »

Primeira jornada de Primavera

As jornadas de Primavera tiveram um “arranque” difícil. Depois de um cancelamento provocado pela chuva, tivemos um dia quente (sim, foi já a 8 de Abril!), a lembrar mais o Verão do que a Primavera ainda agora chegada, com um vento do quadrante leste que quase sempre traz temperaturas elevadas e baixa humidade.

O objectivo para este dia era dar continuidade à última jornada especial de Inverno, participada pelos pequenos escuteiros: colher mais estacas e depois colocá-las, sinalizando as árvores plantadas no Inverno. Como na jornada anterior, as estacas foram colhidas de rebentos de eucalipto junto à represa da Benfeita, onde também se encontra uma faixa com rebentação de carvalho a recuperar para fins de conservação. A manhã foi um pouco acidentada, mas pelo seu final o atrelado do pequeno tractor de transporte encontrava-se bem preenchido de estacas já cortadas com uma medida adequada, e afiadas.

DSC_1121

Preparação das estacas

DSC_1123

À esquerda, a faixa com rebentação de carvalho que está também em recuperação

IMG_3109

O trabalho decorreu com animação e o atrelado do tractor foi-se enchendo de estacas

DSC_1126

Uma urze branca em flor destacava-se contra a superfície escura das águas da represa

O almoço fez-se já junto à área do Vale de Barrocas, onde iríamos colocar as estacas, quando a temperatura já estava elevada, pelo que uma pequena sesta foi essencial para recuperar energias. O problema era encontrar uma boa sombra…

DSC_1136

O almoço, à débil sombra das copas dos eucaliptos…

À tarde iniciou-se o trabalho de transportar as estacas, primeiro encosta abaixo (mais fácil) e depois encosta acima (bem mais penoso), e colocá-las junto a cada árvore plantada. “Descobriu-se” que teria sido muito vantajoso preparar as estacas com alguns meses de antecedência para que pudessem secar e ficar mais leves. Mas agora era tarde de mais… O problema era que, mais do que pela temperatura elevada, a baixa humidade secava rapidamente a boca e parecia que nem a água nem as saborosas laranjas do Feridouro eram capazes de saciar duradouramente a sede. Uma hora de trabalho realizada e um novo período de repouso regenerador revelou-se essencial…

DSC_1137

Estacas colocadas, no terreno de Vale de Barrocas

Mas ainda havia muitas estacas e era necessário continuar. E continuou-se, até praticamente todas as estacas estarem colocadas, já o sol se escondia atrás do Cabeço do Meio e as forças pareciam esgotar-se mais depressa do que na aparentemente mais exigente plantação das próprias árvores.

DSC_1140

A equipa no final de jornada

Tinha sido uma jornada invulgar e inesperadamente exigente. Mas por outro lado foi animador visitar cada árvore plantada e, com pouquíssimas excepções, constatar o seu bom estado. Obrigado a todos os voluntários, e à Maria João também pelas fotos, que entretanto já estão, com mais variantes, no Facebook!

Paulo Domingues

Comments (1) »

Última Jornada de Plantação

A última jornada regular deste Inverno, e também a última de plantação de árvores, foi uma notável congregação de 19 vontades (humanas, mais 4 caninas) muitas delas pela primeira vez, que deram uma contribuição determinante para que as mais de 250 árvores que ainda tínhamos para plantar neste dia o tivessem sido, para além de outros trabalhos realizados. Foi ainda uma jornada “intercontinental” com participantes de dois continentes e quatro países!

A equipa começou, como previsto, pelo Vale de Barrocas, abaixo do caminho principal. Já aí tínhamos estado, mas neste dia avançámos encosta abaixo em direcção ao ribeiro. Não foi um início fácil porque o terreno era pedregoso, o mato denso, e as ramadas de eucalipto abundantes. Para além disso, a encosta tornava-se extremamente declivosa à medida que nos aproximávamos do ribeiro. Para além da plantação de árvores, alguns voluntários dedicaram-se ao corte de rebentação de eucalipto.

DSC_1000

Voluntárias em acção

DSC_1010

Equipa “internacional”

DSC_1011

Em terreno muito inclinado!

DSC_1012

Lódão-bastardo já rebentado, acabado de plantar

DSC_1013

Vista do ribeiro, lá em baixo

Depois de dois dias de autêntico Verão antecipado, o dia estava fresco e os trabalhos avançaram com determinação. Mas o espaço disponível aqui já não era muito pelo que ainda antes do final da manhã o trabalho deu-se por terminado e a equipa dirigiu-se para montante, subindo da cota dos 170 metros até à dos 270, no ponto mais elevado desta área de intervenção. Após esta subida de 100 metros achou-se por bem almoçar, para recuperar energias…

DSC_1034

Reforço de energias com especialidades vegetarianas e bolo para terminar!

À tarde, e reabastecido o stock de árvores, a plantação continuou entre um braço muito secundário do vale e o principal. Aqui havia mais solo e menos pedras do que lá em baixo, pelo que o esforço adicional de transportar os materiais encosta acima era algo compensado pela maior facilidade em plantar as árvores. Também lá em cima uma equipa se dedicou à rebentação de eucalipto, esta bem mais difícil do que lá em baixo porque era a primeira vez que era cortada.

DSC_1024

Caminhada até à área seguinte numa cota mais elevada do vale

DSC_1026

Cá em cima os rebentos de eucalipto eram bastante grandes

DSC_1040

Trabalhos em curso, apreciados ao longe

Os trabalhos avançaram durante a tarde e foi já em pleno “coração” do Vale de Barrocas que as árvores se esgotaram, as energias também já não estavam longe disso, e o sol, já bem escondido atrás do Cabeço do Meio, fazia parecer ainda mais frio o ar que o vento trazia de nordeste, bem diferente do dos últimos dois dias, o temível vento de sudeste.

DSC_1047

Perspectiva do vale, terminados os trabalhos

DSC_1051

A equipa deste dia, já sem a presença de três voluntárias

E foi assim que se encerrou a época de plantação de árvores. Se poderá não impressionar pelo número de árvores plantadas (pouco mais de 2000), não deixa de ser expressivo o número de jornadas realizadas (9), o número de voluntários envolvidos (várias dezenas, num total de cerca de 120 participações) e sobretudo o esforço desenvolvido na realização de um trabalho que é um dos mais exigentes que pedimos aos voluntários, e cujo resultado leva muitos anos a tornar-se visível. Como bem ficou patente ao longo da época, trabalhámos quase invariavelmente em locais de acesso e movimentação difíceis, os locais de plantação tiveram que ser pesquisados em terreno por vezes pedregoso e densamente percorrido por raízes de eucalipto, com ramadas dos últimos cortes frequentemente depositadas e ainda com a presença do matagal, ainda que “amassado” pela queda dos eucaliptos e os movimentos de rechega. E, apesar das dificuldades, muitos dos voluntários voltaram uma e outra vez, num movimento que quase sempre excedeu as 10 pessoas por jornada e que permitiu a realização de outros trabalhos importantes como o corte das rebentações de eucalipto. Creio não ser excessivo afirmar que foi um esforço notável, que merece, neste momento, um reconhecimento especial.

Os trabalhos, é claro, vão continuar já no início da Primavera que se aproxima, e em breve serão anunciadas as Jornadas Voluntárias de Primavera de 2017!

Até já!

Paulo Domingues

Comments (2) »

Jornada do Vale de São Francisco

Ainda a tempo, eis a reportagem da jornada voluntária de Sábado passado.

Foi uma jornada muito participada, e com um número significativo de “caloiros”. Não foi por isso, contudo  (porque entre nós os novos têm sempre um especial acolhimento) que neste dia optámos por uma jornada de plantação de árvores e arbustos num dos sítios mais difíceis que podíamos escolher: o Vale de São Francisco.

Esta propriedade de cerca de 3 ha é uma adição recente à área de intervenção do projecto e inclui uma extensão de cerca de 400 metros deste vale que desce do Cabeço Santo até desaguar no ribeiro junto ao Feridouro, passando, lá mais acima, pelo terreno que a Quercus aqui adquiriu em 2006.

É a nossa oportunidade para recuperar um vale com várias escarpas, às quais a água confere o seu especial encanto quando corre com abundância. No entanto, como quase cada recanto desta região, encontra-se num avançado estado de degradação devido ao excessivo aproveitamento para o cultivo de eucalipto e à ocupação por mimosas. Esse estado agravou-se bastante após o incêndio de 2005, quando densas manchas de eucaliptos de origem seminal se implantaram, chegando até agora como formações de eucaliptos quase impenetráveis, ainda que, nesses condições, não pudessem ter crescido muito.

dsc_0883

O Vale de S. Francisco encontra-se num estado limite de degradação

Após o corte inicial dos eucaliptos (para venda) procedeu-se à remoção das mimosas e dos eucaliptos que não tinham aproveitamento e que ocupavam o vale e as zonas mais inacessíveis. Muita dessa lenha e ramada foi retirada, mas muita não o foi por dificuldades várias, a principal das quais o acesso difícil. Seguiu-se a dolorosa mas necessária pulverização com herbicida para eliminar toda a rebentação (de mimosas e eucaliptos) que ocorreu depois dos cortes, e finalmente, quase dois anos após o corte inicial dos eucaliptos, o terreno ficou disponível para os trabalhos de plantação. O seu aspecto não é animador: quem neste dia olhasse com atenção o cenário, ao mesmo tempo grandioso e caótico, belo e horrível, que se mostrava diante de si, não podia deixar de se perguntar: como deixámos a terra neste estado? Como foi possível que, colectivamente, tivéssemos deixado estragar tanto, para beneficiar tão pouco?

dsc_0903

Vista de parte do terreno a partir de cima, com a área de socalcos em 2º plano

Mas voltemos ao trabalho, que agora é o que podemos fazer para reverter os erros passados: com elevados declives, lenha depositada, parte do terreno armado em socalcos há 10 anos e afloramentos rochosos extensos, não se esperava que o trabalho fosse fácil, e assim aconteceu: embora na zona dos socalcos, que trabalhámos de manhã, o solo não estivesse muito compactado, a abundância de pedra solta tornava às vezes quase impossível abrir uma cova com solo suficiente para plantar uma árvore. Dado os acessos serem poucos e difíceis, todos os materiais e equipamento tiveram de ser deslocados entre socalcos graças a uma escada. Mas, ainda assim, e graças ao número e aplicação dos voluntários, pelo meio dia já a maior parte das árvores tinha sido plantada e foi necessário ir buscar mais! Foram pinheiros, sobreiros, medronheiros, lentiscos e murtas as espécies plantadas. Também alguns carvalhos, poucos, que as condições não eram favoráveis.

dsc_0869

Como sempre, a formação foi atentamente seguida

dsc_0877

Para as deslocações entre socalcos teve que se usar uma escada

O almoço tomou-se em pleno coração do vale, aproveitando o único caminho que o atravessa dentro deste terreno, e usufruindo das suas águas cristalinas, até para beber!

dsc_0894

O almoço fez-se de especialidades vegetarianas a que já nos começamos a habituar…

dsc_0897

Provou-se a água do Vale de São Francisco, junto a uma captação ainda em uso na aldeia do Feridouro

À tarde trabalhou-se acima do caminho, já em zona não sujeita a mobilização de solo anterior, mas com afloramentos rochosos mais extensos. Cada local de plantação tinha de ser procurado com cuidado, em busca dos locais onde o solo se acumulou. Os trabalhos prolongaram-se por toda a tarde e parecia que o inevitável cansaço sempre se conseguia ultrapassar com uma tangerina ou um golo de água do Vale de São Francisco. Ou com a ajuda invisível do Santo, quem sabe? A verdade é que o segundo lote de árvores se plantou por completo, e a contabilidade final deve ter excedido bem as 300 árvores e arbustos plantados. Para as condições em que se realizou, e mesmo não podendo falar de uma perspectiva totalmente imparcial, temos de considerar que foi um facto notável!

dsc_0900

Uma esfarrapada mimosa é, apesar de tudo, o único elemento colorido nesta paisagem!

dsc_0920

À tarde, os trabalhos decorreram numa parte da encosta sem socalcos

dsc_0923

Equipa em acção. Os eucaliptos ainda em pé são plantas de origem seminal, que em breve serão cortados.

dsc_0938

Plantas, ferramentas e braços, a combinação perfeita

dsc_0953

O trabalho mais difícil, mas que teve braços disponíveis por todo o dia!

Obrigado aos voluntários presentes pela sua dádiva e superação!

dsc_0954

Uma das muitas árvores plantadas, um medronheiro

dsc_0958

A fantástica equipa deste dia!

No próximo dia 11 de Março teremos a última jornada de plantação de árvores desta época. Voltaremos ao Vale de Barrocas, para aquela que será também a última jornada regular deste Inverno! Não percam! Até lá.

Paulo Domingues

Comments (2) »

A jornada TEDx

Finalmente a reportagem da jornada especial do Sábado passado, participada pelo grupo organizador dos TEDx Aveiro. Esta jornada foi marcada por alguma incerteza, pois as previsões apontavam para alguma chuva, mas a ousadia prevaleceu sobre o receio e o grupo decidiu manter a sua participação.

Como que para assustar os mais temerosos, pelas 9 horas, hora prevista para o grupo sair de Aveiro, chovia copiosamente, mas logo chegaram notícias animadoras provenientes dos lados de Vagos: a chuva deveria passar em breve! E assim foi: pelo meio da manhã, quando o grupo finalmente conseguiu chegar ao terreno, já o sol brincava com as nuvens.

16836565_10154245916930848_3780514856083223248_o

A chegada

16836564_10154245920795848_6975753380594971644_o

A caminhada até ao local de plantação

O local escolhido foi a encosta a nascente da linha principal do Vale de Barrocas, onde só ainda se tinha plantado uma pequena faixa. Claro, iniciou-se com a necessária “formação”, para que todos trabalhassem de forma esclarecida…

16836481_10154245915225848_192252660900726169_o

A formação

16836134_10154245920825848_83350256054636214_o

Ainda a formação

16716344_10154245921640848_4705262886076163006_o

A área a plantar

Como era um grupo grande, uma parte dedicou-se ao corte de rebentação de eucalipto, mais para oeste na parcela. O grupo que iniciou a plantação deparou-se com uma área bastante dura: solo superficial e pedregoso, declive elevado… Foi um acolhimento difícil, mas ninguém desanimou e a verdade é que, com a progressão, o solo se tornou mais fácil de trabalhar.

16825764_10154245917600848_7166862462780007886_o

A acção

16825752_10154245914725848_5347737619211492399_o

Azevinhos

16819264_10154245918210848_1090033103714927292_o

Muitas plantas diferentes para conhecer

O almoço contou com umas novas especialidades caseiras produzidas por uma colaboradora aveirense, e foram bastante apreciadas…

À tarde o cansaço foi-se apoderando de alguns voluntários menos habituados a estes exigentes trabalhos, mas outros deram provas da sua resistência e a actividade prolongou-se até quase às 17 horas, quando se estava já a cruzar o vale.

16819109_10154245917605848_6891174337321904205_o

O trabalho mais difícil

16797306_10154245917385848_1230335467321157177_o

O corte da rebentação de eucalipto

16722667_10154245920185848_2083338965508695897_o

O final

Eram voluntários de 1º experiência (no Cabeço Santo), mas apesar disso quase tudo decorreu muito bem. As fotos são do voluntário Ivo Tavares – Ivo Tavares Studio e uma colecção mais completa pode ser visitada na página do TEDx Aveiro no Facebook.

Um obrigado a todos!

Paulo Domingues

Comments (1) »